EPFafe demonstra excelência no ensino da Programação

A European Code Week, é uma iniciativa promovida anualmente pela Comissão Europeia como parte da sua estratégia para um mercado digital único. Pretende-se assim impulsionar as competências digitais em diferentes públicos alvo. A Escola Profissional de Fafe (EPFafe) não podia deixar de aderir a esta iniciativa, em que participa desde 2016, onde os alunos do concelho são convidados a melhorar os seus conhecimentos de programação a brincar.

Oficinas Propostas em 2017

Na edição de 2017 na oficina Block Programming os participantes foram convidados, mediante explicações prévias, a programar um Robot da Lego, para realizar uma sequência de instruções. No final desta oficina, tiveram oportunidade de controlar um robot programado por alunos da EPFafe num animado jogo de “botball”. Na oficina Imprimir os Sonhos os alunos da escola explicaram aos colegas qual a importância da programação na impressão de objetos, tendo estes, a oportunidade de perceber o funcionamento de uma impressora 3D. A Drone Experience visava explorar as potencialidades da programação, graças à promoção da interação com Drones e um Hovercraft, recorrendo a exemplos de instruções básicas de sequência, de repetição e de ciclos.

Debate “Atrevo-me a Empreender?”

No âmbito desta iniciativa, decorreu, nas instalações da Escola Profissional de Fafe na noite do dia 19 de Outubro, um debate intitulado “Atrevo-me a Empreender?”, que teve como moderador, Bruno Ferreira, Embaixador da Codeweek. O arranque foi feito com um balanço à edição do ano anterior e à necessidade de uma incubadora de empresas no nosso concelho, sendo focado por Pompeu Martins, em representação da autarquia, que a câmara tem vindo a desenvolver um trabalho de preparação da mesma, estando neste momento a aguardar a abertura de financiamento.

César Reis, Business Angel, trouxe para a sessão toda a sua experiência com o lançamento de startups, incentivando os possíveis empreendedores a arriscar, mas relembrando que o caminho não será fácil alertando para o facto de 90% das startups não passarem dos dois anos de existência.

Da parte do Instituto de Estudos Superiores de Fafe, Hugo Noronha, deu a conhecer o apoio que aquela instituição já tem dado a algumas empresas e frisou a necessidade de encontrar soluções para aumentar a empregabilidade no concelho.

Este debate contou ainda com a participação de Rafael Leite que partilhou a sua experiência empreendedora no lançamento de uma carreira no mundo artístico.

Por vídeo-conferência participou Ricardo Abreu, membro da BABB, uma startup londrina, que aposta num banco online desenvolvido sobre o princípio de blockchain. Estando a startup em fase de pre-ICO, a plateia teve oportunidade de ouvir um pequeno testemunho da dinâmica do mercado.

O presidente da Associação Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto, Hernâni Costa, referiu a necessidade de diálogo entre os vários stakeholders de modo a proporcionar as melhores condições à instalação de empresas no município, aumentando assim a empregabilidade e estimulando outros setores de atividade.

A incubadora continua a ser uma necessidade aclamada por todos, tendo sido reforçada a necessidade de avançar com as diligências necessárias. Focando atitudes chave do empreendedor como o arriscar e perseverança, esta sessão foi acima de tudo um foco de motivação para todos os presentes.